Recents in Beach

header ads

Quais exames de sangue podem detectar o câncer?

Para identificar o câncer podem ser solicitados pelo médico a realização da dosagem de marcadores tumorais, que são substâncias produzidas pelas células ou pelo próprio tumor, como o AFP e o PSA, que se encontram elevados no sangue na presença de determinados tipos de câncer.

A dosagem dos marcadores tumorais é importante não só para detectar o câncer, mas também para avaliar o desenvolvimento do tumor e a resposta ao tratamento.

Apesar dos marcadores tumorais serem indicativos de câncer, algumas situações benignas podem levar ao seu aumento, como por exemplo apendicite, prostatite ou hiperplasia da próstata e, por isso, na maioria dos casos é necessário fazer outros exames para confirmar o diagnóstico, como ecografia ou ressonância magnética, por exemplo.

Além disso, os valores dos indicadores tumorais do exame de sangue variam de acordo com o laboratório e o sexo do paciente, sendo importante ter em consideração o valor de referência do laboratório.

8 indicadores tumorais que detectam o câncer

Alguns dos exames mais pedidos pelo médico para identificar o câncer são:

1. AFP

O que detecta: A alfafetoproteína (AFP) é uma proteína cuja dosagem pode ser solicitada para investigar tumores no estômago, intestino, ovários ou presença de metástases no fígado.

Valor de referência: Geralmente quando existem alterações malignas o valor é superior a 1000 ng/ml. No entanto, este valor também pode estar aumentado em situações como cirrose ou hepatite crônica, por exemplo, sendo o seu valor próximo de 500 ng/ml.

2. MCA

O que detecta: O antigênio mucoide associado ao carcinoma (MCA) normalmente é solicitado para verificar a ocorrência de câncer da mama.

Valor de referência: Na maioria dos casos pode indicar câncer quando o seu valor é superior a 11 U/ml no exame de sangue. Porém, este valor pode estar aumentando em situações menos graves, como tumores benignos do ovário, útero ou próstata.

Normalmente o médico também solicita a dosagem do marcador CA 27.29 ou CA 15.3 para acompanhamento do câncer de mama e verificar a resposta ao tratamento e chance de recidiva.

3. BTA

O que detecta: O antígeno tumoral da bexiga (BTA) é utilizado para ajudar a detectar o câncer da bexiga e normalmente é dosado juntamento com o NMP22 e o CEA.

Valor de referência: Na presença de câncer de bexiga, o exame apresenta um valor superior a 1. A presença de BTA na urina, no entanto, também pode estar elevado em problemas menos graves como inflamação dos rins ou da uretra, especialmente quando se utiliza sonda vesical.

4. PSA

O que detecta: O antigênio prostático (PSA) é uma proteína produzida normalmente para a próstata, porém no caso de câncer de próstata pode ter sua concentração aumentada.

Valor de referência: Quando a concentração do PSA no sangue é superior a 4,0 ng/ml pode indicar o desenvolvimento de câncer e, quando é superior a 50 ng/ml, pode indicar a presença de metástases. No entanto, para confirmar o câncer é necessário realizar outros exames como toque retal e ecografia à próstata, já que a concentração dessa proteína também pode estar aumentado em situações benignas.

5. CA 125

O que detecta: O CA 125 é um marcador muito utilizado para verificar a chance e acompanhar o desenvolvimento de câncer no ovário. A dosagem desse marcador deve ser acompanhado de outros exames para que possa ser feito o diagnóstico correto.

Valor de referência: Geralmente é sinal de câncer no ovário quando o valor é superior a 65 U/ml. Porém, o valor também pode ficar aumentado no caso de cirrose, cistos, endometriose, hepatite ou pancreatite.

6. Calcitonina

O que detecta: A calcitonina é um hormônio produzido pela tireoide e que pode estar aumentada principalmente em pessoas com câncer da tiroide, mas também em pessoas com câncer de mama ou de pulmão.

Valor de referência: Pode ser sinal de câncer quando o valor é superior a 20 pg/ml, mas, os valores também podem estar alterados devido a problemas como pancreatite, doença de Paget e até mesmo durante a gravidez.

7. Tireoglobulina

O que detecta: A tireoglobulina normalmente está elevada no câncer de tireoide, no entanto, para diagnóstico de câncer de tireoide também devem ser dosados outros marcadores, como a calcitonina e o TSH, por exemplo, já que a tireoglobulina pode estar aumentada mesmo em pessoas que não têm a doença.

Valor de referência: Os valores normais de tireoglobulina são entre 1,4 e 78 g/ml, acima disso pode ser indicativo de câncer.

8. CEA

O que detecta: O antígeno carcinoembrionário (CEA) pode ser dosado para diferentes tipos de câncer, estando normalmente elevando no câncer no intestino, afetando o cólon ou o reto.

Valor de referência: Para ser indicativo de câncer, a concentração do CEA precisa ser 5 vezes superior ao valor normal que é até 5 ng/mL em pessoas fumantes e até 3 ng/mL em pessoas não fumantes.

Além destes exames de sangue, pode-se avaliar outras hormonas e proteínas, como CA 19.9, CA 72.4, LDH, Catepsina D, Telomerase e Gonadotrofina coriônica humana por exemplo, que ficam com os valores de referência alterados quando se está desenvolvendo um câncer em algum órgão.
Como confirmar o diagnóstico de câncer

No caso de suspeitar de câncer, é necessário confirmar o diagnóstico, normalmente solicitado pelo médico exames complementares de imagem, como por exemplo:

Ecografia: Também conhecida por ultrassonografia, que é um exame que permite detectar lesões em órgãos como fígado, pâncreas, baço, rins, próstata, mama, tireoide, útero e ovários;

Radiografia: É um exame realizado através de Raio X, que ajuda a identificar alterações no pulmão, na coluna e ossos;

Ressonância magnética: É um exame de imagem que deteta alterações em órgãos como mama, vasos sanguíneos, fígado, pâncreas, baço, rins e supra-renais.

Tomografia Computadorizada: É realizada quando se verificam alterações no Raio X e normalmente é solicitada para avaliar os pulmões, fígado, baço, pâncreas, articulações e faringe, por exemplo.

Na maioria dos casos, a confirmação do diagnóstico é feito através da combinação de vários exames, como observação do paciente, exame de sangue, ressonância magnética e biopsia, por exemplo.

Fonte: tuasaude.com